sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Um Pouco Sobre Frida Kahlo - Conexões de Mulheres Surrealistas do México - Exposição - Eu Fui!

Olá amigos, boa tarde! gostaria de falar sobre uma guerreira chamada: Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón. É um dos posts mais extensos que já fiz, e ainda assim, muita coisa ficou de fora.

No Brasil está acontecendo uma exposição chamada Frida Kahlo - Conexões Entre Mulheres Surrealistas do México. Dia 10 de Janeiro deste ano de 2016, foi o último dia, pra ver a exposição aqui em São Paulo. Foram 4 meses, no Instituto Tomie Ohtake. 

Tive a oportunidade de visitar a exposição. Convidei minha amiga, que me acompanhou, e me levou! isso que é amiga!...(rs).

Tirei algumas fotos dos quadros, não todos, já que são 20 obras só de Frida Kahlo, inclusive dos textos eu tirei foto...xD! É permitido, fotografar sem flash nos museus, aproveitei né, assim poderia ler sossegada, na hora que eu quisesse...( coisas de Talita...hehe).



Nessa exposição, havia uma sala, que exibia um documentário sobre a vida de Frida, desde o seu nascimento. O público se acomodava até no chão, era um ambiente bem descontraído, mas todos muito bem educados, assistindo em silêncio, só não lembro quantas horinhas durou o vídeo. Nós assistimos tudinho, e descobri algumas coisas que nunca tinha lido nas biografias que encontrei na net. Por exemplo, na adolescência, por rebeldia e forma de expressão, Frida Kahlo se vestia como homem, o que escandalizava a conservadora sociedade mexicana da época, usava sobrancelhas grossas, bigode, terno e gravata.

Foto de 1924 por Guillermo Kahlo, pai de Frida Kahlo (retirada do site: Inspi)


Assim como Anne Frank, Frida Kahlo, é uma das pessoas que mais me emociona, por toda sua história de vida in-crí-vel! Considerada uma mulher a frente do seu tempo, e muitíssimo original, Frida era ''autêntica'' com um estilo de ser, único. Eu diria que Frida é uma arte! é comum encontrarmos por aí, canecas, almofadas, camisetas, e um monte de ''cacarecos'', com ilustrações de sua imagem. Eu ainda não fiz nenhuma, estou pensando nisso.

Nessa megaexposição, além das obras de Frida, tem mais artistas mulheres, todas da mesma época, influenciadas por ela, nascidas ou radicadas no México, como Remedios Varo, e Maria Izquierdo.


Acima e abaixo, obras de outras artistas do movimento surrealista, que estão na exposição.


Surrealismo: O poeta e crítico André Breton (1896-1966) era o principal líder e mentor deste movimento artístico e literário nascido em Paris na década de 1920, influenciado pelas teorias psicanalíticas do psicólogo Sigmund Freud (1856-1939). O surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. Um dos seus objetivos foi produzir uma arte que, segundo o movimento, estava sendo destruída pelo racionalismo. 

Um dos principais manifestos do movimento é o Manifesto Surrealista de (1924). Além de Breton, seus representantes mais conhecidos são Antonin Artaud no teatro, Luis Buñuel no cinema e Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas.

As características deste estilo: Uma combinação do representativo, do abstrato, do irreal e do inconsciente. Entre muitas das suas metodologias estão a colagem e a escrita automática. Segundo os surrealistas, a arte deve libertar-se das exigências da lógica e da razão e ir além da consciência quotidiana, procurando expressar o mundo do inconsciente e dos sonhos.

Fonte do trecho acima: Amigo Wikipedia


Roulotte (1955) por Remedios Varo


O mais incrível e admirável no meu ver, é que, apesar de tudo, ela viveu! in-ten-sa-men-te! Eu Talita, passei por muitas coisas, foi doloroso e difícil, não chega nem perto do que ela viveu. Todos nós temos a capacidade de nos comover, sentir compaixão por alguém que sofre, mas sei que, só quem passa por coisas desse tipo, vai entender de fato, e se sensibilizar em um grau muito maior.




''Amputaram-me a perna há 6 meses, deram-me séculos de tortura e há momentos em que quase perco a razão. Continuo a querer me matar. O Diego é que me impede de o fazer, pois a minha vaidade faz-me pensar que sentiria a minha falta. Ele disse-me isso e eu acreditei. Mas nunca sofri tanto em toda a minha vida.Vou esperar mais um pouco...''




Em 27 de julho de 1953, Frida tem a perna direita amputada até a altura do joelho. Em seu diário, encontra-se o desenho da perna amputada como uma coluna rodeada de espinhos, com a legenda: ''Piés para qué los quiero si tengo alas pa' volar'' Em português: ''Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?'' (Frida Kahlo)



"So-Frida" Kahlo''... que ela me perdoe o ''trocadilho'' , não é por mal, mas reparem nos nomes...(rs), essa mulher sofreu de-mais mes-mo, e apesar de ter sido muito guerreira, claro que ela também tinha suas recaídas, momentos de fraqueza emocional, o que é normal, ninguém é forte o tempo todo, ela escrevia muito em seu diário, coisas do tipo:


''E a sensação nunca mais me deixou, de que meu corpo carrega em si todas as chagas do mundo.''

''Espero alegre a saída e espero nunca voltar. '' (Frida Kahlo)

''Eu sou a desintegração.'' (Frida Kahlo)

''Sinto-me mal, e ficarei pior, mas vou aprendendo a estar sozinha e isso já é uma vantagem e um pequeno triunfo.'' (Frida Kahlo)

''Bebia para afogar as mágoas, mas as malditas aprenderam a nadar.'' (Frida Kahlo)





Na arte, ela encontrou um modo de aliviar suas dores, que não eram poucas, tanto físicas, quanto emocionais.


''Pintar completou minha vida. Perdi três filhos e uma série de outras coisas, que teriam preenchido minha vida pavorosa. Minha pintura tomou o lugar de tudo isso. Creio que trabalhar é o melhor.'' (Frida Kahlo)



'Estive doente durante um ano: 1950-1951. Sete operações na coluna. O Dr. Farill salvou-me. Restituiu-me a alegria de viver. Ainda estou numa cadeira de rodas e não sei quando poderei voltar a andar de novo. Tenho um colete de gesso que, em vez de ser horrivelmente 'maçador', me ajuda a suportar melhor a coluna. Não sinto dores, só um grande cansaço... e, como é natural, por vezes desespero. Um desespero indescritível. No entanto quero viver. Já comecei o pequeno quadro que vou dar ao Dr. Farill e que estou fazendo com todo meu carinho por ele.'' (Frida Kahlo)


Classificaram -na como uma pintora surrealista, o que ela dizia a respeito disso: 


''Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei a minha própria realidade.'' (Frida Kahlo).



Frida sofreu diversos abortos, uma de suas grandes tristezas, é que não poderia gerar uma criança, ser mãe.



''Eu costumava pensar que era a pessoa mais estranha do mundo, mas então pensei, há muita gente no mundo, tem que existir alguém como eu, que se sinta bizarra e danificada da mesma forma que eu me sinto. Consigo imaginá-la, e imagino que ela também deve estar por aí, pensando em mim. Bom, eu espero que se você estiver por aí e ler isso, saiba que, sim, é verdade, eu estou aqui e sou tão estranha quanto você.'' (Frida Kahlo)



Através do jeito de se vestir, demonstrava com orgulho, seu amor pelo México, um modo também de ''camuflar'' suas fragilidades físicas, por trás de todos aqueles acessórios, e roupas coloridas, trajes típicos de sua terra.

“A beleza e a feiura são uma miragem, pois os outros sempre acabam vendo nosso interior” (Frida Kahlo) 


“Há alguns que nascem com estrelas e outros com mais algumas, e mesmo que você não queira acreditar, nasci com constelações…” (Frida Kahlo)



A maioria de seus quadros, são autorretratos, pintou suas próprias tragédias, dores pelas quais ela resistiu bravamente enquanto pôde. 




''A dor é parte da vida e pode se tornar a própria vida.'' (Frida Kahlo)




Quando tinha 18 anos, ela sofreu um gravíssimo acidente, um bonde, em que viajava, bateu num trem. O pára-choque de um dos veículos perfurou suas costas, atravessou a pélvis e saiu por suas partes íntimas, causando uma grave hemorragia. Ela ficou por meses e meses, entre a vida e a morte no hospital. 

Foi preciso operar diversas partes do corpo até reconstruir por inteiro áreas que estavam perfuradas. Devido ao acidente, tornou indispensável a Frida, o uso de coletes ortopédicos. Ela pintou alguns deles, como o colete de gesso da tela chamada: (A Coluna Partida), foto abaixo...(:


A Coluna Partida - Frida Kahlo (1944)

Sua relação com as artes vinha desde pequena, quando, seu pai, Guillermo Kahlo, fazia pinturas autorais para passar o tempo. Antes de começar a se envolver com as artes também, ela chegou a cursar faculdade de medicina no México. Ou seja, Frida Kahlo se tornaria médica, o que não ocorreu, pois a arte falou mais alto em sua vida.





''Meu pai foi para mim um grande exemplo de ternura, de trabalho... e acima de tudo de compreensão de todos os meus problemas.'' (Frida Kahlo)


Desenho exposto em: Frida Kahlo Conexão entre Mulheres Surrealistas do México

Frida conheceu o amor da sua vida, um homem chamado: Diego Rivera, que era bem mais velho do que ela, quando decidiram se casar. O pai dela, alertou Diego, a respeito da filha, no sentido de que era doente, do tipo: ''assuma responsabilidades, cuide dela, pois a vida não será sempre um mar de rosas" 


De fato, tiveram um relacionamento bastante conflituoso, de amor e ódio, porque ambos tinham uma personalidade forte, e viveram diversos casos extraconjugais. Frida era bissexual assumida, e Diego aceitava somente os casos que ela tinha com mulheres.


A frustração no casamento ainda era alimentada pelo fato de que Diego queria ter filhos, e Frida, por ter sofrido um grave acidente anos antes, não conseguia manter uma gravidez até o final, já que abortava todas as vezes. (Falta de maturidade emocional dele né minha gente, casou sabendo de todas as limitações de Frida ué). 


Ele por sua vez, vejam só, se envolveu até com a cunhada Cristina, irmã preferida de Frida Kahlo, (pois é, tragédia pouca é bobagem) eles viveram anos juntos, e tiveram 6 filhos! Frida teria flagrado os dois em momentos íntimos, o que lhe provocou um ataque de histeria, além de cortar os próprios cabelos. Rivera abandonou os filhos e Cristina, que foi embora. 


Mais tarde, ele tentou uma reconciliação com Frida, mas sem êxito, continuou então, entre bebidas e mulheres. Após um tempo separados, o casal se reconciliou, casaram-se novamente, mas cada um morando em sua própria casa, casa esta, que ficava ligada por uma ponte.


Apesar de tudo, ironicamente Diego teve um papel muito importante na vida da esposa, refiro-me a vida de pintora surrelista, pois ele a apoiava muito, a incentivava em todo seu talento como artista.


“Queria te dar tudo o que nunca teve, e nem assim você saberia a maravilha que é poder te querer” (Frida Kahlo)


''Toda esta raiva simplesmente me fez compreender melhor que eu o amo mais do que a minha própria pele, e que, embora você não me ame tanto assim, pelo menos me ama um pouquinho - não é? Se isto não for verdade, sempre terei a esperança de que possa ser, e isso me basta...'' (Frida Kahlo)

O quadro da foto acima chama-se: Diego em meu pensamento (1943)

''Diego, houve dois grandes acidentes na minha vida: o bonde e você. Você sem dúvida foi o pior deles.'' (Frida Kahlo)

''Se eu pudesse lhe dar alguma coisa na vida, eu lhe daria a capacidade de ver a si mesmo através dos meus olhos. Só então você perceberia como é especial para mim.'' (Frida Kahlo)

''Sinto que, desde nosso lugar de origem, estivemos juntos, que somos da mesma matéria, das mesmas ondas, que temos, dentro de nós, o mesmo sentido. Seu ser inteiro, seu gênio e sua humildade prodigiosas são incomparáveis e enriquecem a vida; dentro do seu mundo extraordinário, o que te ofereço é apenas uma verdade a mais, e que vai sempre acariciar o mais fundo de ti mesmo. Agradeço por recebê-lo, obrigada por viver, por ontem ter me deixado tocar a luz mais íntima e por ter dito, com sua voz e seus olhos, o que eu esperei toda a minha vida.” (Frida Kahlo)




Diego Rivera 1937


Diego, também era um grande pintor da época, teve contato com Pablo Picasso, Salvador Dalí, Juan Miró por exemplo. 


Abaixo, está um desenho, feito por ele, retrata Frida de modo sensual, sem imperfeições, mas na realidade, ela tinha muitos defeitos, como uma perna mais curta e fina que a outra, e cicatrizes na coluna. No surrealismo os homens erotizavam o corpo feminino. Já Frida e as outras artistas os pintavam de maneira muito diferente.


''Diego está na minha urina, na minha boca, no meu coração, na minha loucura, no meu sono, nas paisagens, na comida, no metal, na doença, na imaginação.'' (Frida Kahlo)

Litografia: Desnudo (Frida Kahlo) em 1930

No dia 13 de julho de 1954, em Coyoacán (México), Frida foi encontrada sem vida. No atestado de óbito, consta embolia pulmonar, devido a uma forte pneumonia, mas a possibilidade de overdose de remédios também não fora descartada, sendo acidental ou não. A hipótese de suicídio também é sustentada, pela última frase que escreveu em seu diário: "Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar". Também há quem diga que ela poderia ter sido envenenada por alguma amante de seu marido.





Fonte dessa informação, site: Obvious


Somente quando Frida morreu, aos 47 anos, Rivera pôde sentir de fato que a amava, mas já era tarde. Diego morreu três anos depois da morte de Frida, e deixou a Dolores Olmedo, uma colecionadora de arte, a função de administrar seu acervo. Ela se recusou a dar acesso às peças até para o Museu Frida Kahlo. Somente após sua morte, em 2004, os objetos foram desbloqueados e formaram a exposição sobre as roupas e pertences de Frida nunca antes vistos pelo público.



Após sua morte, a casa onde viveu com a familia, conhecida como "Casa Azul" transformou-se no Museu Frida Kahlo, que não abriga todas as suas obras, pois elas estão espalhadas pelos mais importantes museus do mundo, como o Louvre, em Paris.


Frida fez sua única e última exposição no México, ainda em vida, estava bastante debilitada, ainda assim, compareceu a exposição, de maca! Imagina o acontecimento na época?

Autorretrato com macacos (1943)


É uma história de vida intensa, que tem amor incondicional, tragédias pessoais, muito sofrimento, luta política, patriotismo, talento como artista. Mas sua postura como mulher, diante de tudo o que passou então, faz com que tudo, seja mais admirável ainda.



Fotos do site: Hariana Meinke - Post: Cores de Frida Kahlo






Ela é Top...Capa de Revista...:)


Em 2012, a Vogue México deixou de lado as modelos para sua capa de novembro e estampou a publicação com ninguém menos que a pintora Frida Kahlo (1907-1954). Quase 60 anos após a morte da artista mexicana, com imagem feita pelo fotógrafo Nickolas Muray, Frida estampou pela primeira vez a capa de uma revista de moda.


Informação do site: Brasilpost


Cá pra nós, pena que muitos artistas, a maioria deles, parecem ter mais valor, quando partem dessa vida para outra? é essa a sensação que eu tenho, na minha humilde opinião.






O fato é, como tem história essa mulher, é muita vida, apesar de todo o sofrimento e em tão pouco tempo. Penso que Deus usa algumas pessoas como instrumento, pra nos aperfeiçoar através de suas lutas pessoais. 



''Cada tic tac é um segundo da vida que passa, foge, e não se repete. E há nele tanta intensidade, tanto interesse, que o problema é só sabê-lo viver. Que cada um o resolva como puder.'' (Frida Kahlo)



Site Oficial: Museo Frida Kahlo










Teh+

Nova Lojinha de Camiseta No Site Montink

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...